Geografia da Vila

A Vila Mariana está situada no topo da colina mais característica de São Paulo, como assegura o professor e geógrafo Aziz Ab’Saber na obra Geomorfologia do Sítio Urbano de São Paulo (Ateliê Editorial).

Essa colina alongada e estreita — que compreende o percurso Jabaquara-Domingos de Morais-Av. Paulista – Dr.Arnaldo — é, diz ele, denominada Espigão Central e considerada um “divisor de águas entre as bacias do Tietê e do Pinheiros”.

Esse espigão sempre foi um ponto referencial para os estudos sobre a topografia paulistana. O primeiro levantamento detalhado da topografia da cidade coube ao geógrafo baiano Teodoro Sampaio, e veio à público em 1899 no terceiro volume de “Apontamentos para o Diccionario Historico e Geographico Brasileiro”, no qual escreve:

“O bairro de Villa Mariana é o ponto culminante da cidade a 828 metros sobre o mar, a 105 metros acima da várzea do Tamanduatehy, e pouco mais de 109 acima das águas do Tiete, na estação seca. Dessa altura desce o terreno no qual se edificou a cidade, em rampa mais ou menos variável, quer para Norte, em direção ao Tiete; quer para Sul, para a extensa várzea do Canguassu ou de Pinheiros”.

Para entender essa colina e a topografia do bairro é preciso voltar ao período paleógeno, (escala de tempo geológico), há pelo menos 55 milhões de anos, conta o geólogo e pesquisador do Instituto Geológico Silvio Takashi Hiruma. “Essa colina já foi uma depressão. Toda a área do espigão está inserida na chamada Bacia Sedimentar de São Paulo e, ao longo dos anos, houve a deposição de sedimentos”.

Ele explica a inversão de relevo: “A Bacia de São Paulo compreende uma boa parte da região metropolitana envolvida pelas serras do Jaraguá e da Cantareira. Junto às outras bacias, ela compõe o rifte [fraturas tectônicas] continental do Sudeste do Brasil, que vai de Curitiba ao Rio de Janeiro. “Durante a formação desse rifte, tivemos a composição de uma grande depressão circundada por falhas, o que ocasionou o rebaixamento de uma parte e o levantamento das laterais: a Serra do Mar e a Serra da Mantiqueira”, situa.

Esse desenho da paisagem foi determinante para o processo de ocupação da cidade, ressaltou em seus estudos o professor Ab’Saber. “O sistema de colinas que asilou o organismo urbano de São Paulo influiu profundamente na forma de expansão e no arranjo geral das ruas, avenidas e radiais da metrópole”.

Diferentes ambientes compuseram, sucessivamente, a paisagem da cidade e do bairro. Silvio pondera que, “aqui na Vila, provavelmente, era um ambiente fluvial. De acordo com os estudos de Aziz Ab’Saber, a geomorfologia do bairro é caracterizada por rochas sedimentares em seu espigão (da rua Domingos de Morais à rua Áurea); altas colinas (da rua Áurea até a Rua Alice de Castro); e Terraços Fluviais de nível intermediário (da Alice de Castro até o Parque Ibirapuera).

As informações sobre a qualidade do solo nesta região são escassas, ressalta a geógrafa e também pesquisadora do Instituto Geológico Viviane Dias Alves Portela. “São Paulo desconhece o solo que tem, pois, em sua maior parte é um solo construído pelo ser humano. O processo de ocupação alterou as características do solo original”.

CARTOGRAFIAS DA VILA

O mapa mais antigo da Vila foi desenhado em 1840 e encontra-se preservado até hoje no raro acervo do Instituto Geológico. “Ele é o que mais nos aproxima das características originais do bairro antes das transformações do processo de ocupação”, afirma Viviane. Nele, é possível ver uma série de rios da região correndo à céu aberto. Entre eles estão o Caaguaçu e o Sapateiro, que formam no bairro a Bacia do Sapateiro. No início do século passado eles foram canalizados e redirecionados.

A fartura de águas se dá nos dois lados do espigão, diz Viviane. “O espigão central é o que chamamos também de divisor topográfico, com muitos rios de ambos os lados. Ele é um dos mais importantes divisores de águas da cidade”.

No segundo mapa, de 1897, já é possível perceber pequenas alterações nos cursos desses rios do pedaço, sinalizando que as paisagens formadas por chácaras e fazendas começam a receber outras formas de ocupação. “Nesse período, o bairro se insere de vez na cidade”, observa a geógrafa.

Nessa época, a paisagem do bairro já contava com escolas, delegacia, fábrica de fósforo, transporte de bondes da Ferro Carril e o Matadouro Municipal, inaugurado em 1880. A economia local viveu então uma expansão em sintonia com o resto da cidade.

Em 1905 destaca-se o adensamento de atividades comerciais nas ruas do pedaço, e vários cursos d’água tornam-se ‘impróprios’ à ocupação urbana. “Quando havia fazendas, as águas eram bem-vindas; mas, em seguida, começaram a ser consideradas um empecilho para a construção das casas”, ressalta Viviane.

Em sua coluna neste jornal, Seu Chiquinho trouxe à tona as paisagens que marcaram sua infância. Numa delas, ele escreveu: “Uma das brincadeiras preferidas era explorar a mata do Ibirapuera. Lá nadávamos nos lagos, caçávamos rãs, fazíamos trilhas e voltávamos para casa de tardezinha”.

Foi durante o século passado, mais precisamente depois da Segunda Guerra, que a paisagem do bairro foi modificada drasticamente. E, de 30 anos para cá, os edifícios vêm tomando lugar dos casarios que, por meio de sua arquitetura, ainda contam a história mais recente do bairro.

O primeiro registro de número de habitantes no distrito da Vila Mariana foi publicado pelo IBGE em 1971. Naquele momento, o bairro era o endereço de 278.005 moradores. “Foi um dos primeiros sensos por distrito”, conta Viviane.

Hoje,o distrito da Vila Mariana esconde, entre concretos, a lembrança de seus rios, cachoeiras, matas e montanhas. Ainda bem que temos um Instituto de Geologia na Rua Joaquim Távora para o Pedaço da Vila trazer esta história!

19 comentários sobre “Geografia da Vila

  1. Deneme bonusu veren siteler, verdikleri deneme bonusu promosyonu ile kazanma ihtimalini yükseltiyor. Bahis siteleri, casino siteleri için nasıl üye olunur

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.