A Mortadela é do Homem

Certo dia, acordei com uma sensação estranha. O dia prometia: era como se uma nuvem pairasse sobre minha cabeça. Saí de casa para uma reunião na Vila Olímpia, peguei um ônibus relativamente vazio e sentei-me ao lado da janela. O lugar ao meu lado estava vago. O trânsito estava infernal e, na minha cabeça, veio a confirmação das minhas sensações. Já estava irritado, detesto estar atrasado.

De repente, ao dobrar uma esquina o ônibus parou defronte uma praça. Foi quando tive uma experiência que beirava o transcendental: um majestoso ipê branco, completamente florido! Não havia um só espaço entre suas flores. O chão, forrado com elas, espelhava pura expressão da arte divina. Me senti como uma criança! O ipê, qual ancião com suas cãs, como que me disse: “Menino, a vida é muito mais do que qualquer coisa ruim que possa nos acontecer!”. 

Aliviado, sorri quando um senhor me pediu licença para sentar-se ao meu lado. Puxando conversa, não sei como, ele me identificou como o colunista desta seção! Quanto a si mesmo, o Sr. Andrea, disse ser italiano, ateu e anarquista. Falamos de tudo: comida italiana, brasileira, política, religião. Não preciso dizer que não chegamos a um consenso.

Comentando o meu último artigo, “O pão é de Deus!”, ele soltou uma máxima: ” Vá benne! O pão é de Deus, mas a mortadela é do homem!”. Não pude conter uma gargalhada! O ipê e o Sr. Andrea salvaram o meu dia!

Não sei se voltarei a rever esse querido italiano não tenho certeza, porém espero sinceramente que sim! Em todo caso, dedico a receita deste mês a ele! Essa é para o sr., seu Andrea! 

Bolinho de pão com mortadela

INGREDIENTES

½ quilo de mortadela moída 3 pães amanhecidos ralados 2 ovos 200 g de pistache salgado moído Pimenta do reino (se possível ralada na hora)

Para empanar:

Farinha de rosca 1 ovo

PREPARO:

Misture tudo com as mãos e faça bolinhos, do tamanho de almôndegas. 

Passe-os no ovo e na farinha, e frite-os.

Convide bons amigos, tome um bom vinho italiano e com eles e partilhe!