Turismo em Buenos Aires

Sempre gostei de estudar línguas, por mim aprenderia todas… Assim, comecei a estudar espanhol muito antes de estar na moda e, graças ao curso, não só aprendi a língua como ganhei uma grande amizade.  

Um dia, juntas na mesa do bar, surgiu a vontade de viajarmos para Buenos Aires.  Uma ideia excelente, afinal a minha nova amiga era argentina — de Córdoba —, e eu lembrava muito pouco de Buenos Aires, pois havia conhecido a cidade fazia tempo… quando tinha cerca de sete anos. 

Decidimos ficar por lá durante oito dias, nos quais viramos Buenos Aires pelo avesso — e nos divertimos muito, mesmo!  A começar pelo dia em que chegamos, loucas para tomar umas Quilmes (cerveja local) e comer nossas primeiras empanadas — uma delícia!

Pedimos informação no hotel e também à guarda municipal, que nos indicou um bar próximo, do lado esquerdo da rua.  Ao chegar lá, vimos que tinha um outro bar, do lado direito, que nos pareceu bem mais animado.  Então, contrariando as indicações, seguimos para o bar do outro lado da rua, que, lá pelas tantas, nos pareceu meio “estranho”, lotado de prostitutas em busca de clientes. Alguns dias depois, confirmamos que realmente o bar era um ponto de prostituição. Pronto! Pagamos o primeiro mico (não existe viagem sem mico). Isso nos rendeu muitas e muitas risadas e a lição: quando você pedir uma dica, siga-a à risca! 

Buenos Aires é uma cidade muito plana e fácil para caminhar (acho que nunca tinha visto tanto passeador de cachorro), muito agradável e limpa, o que nos motivou a gastar a sola dos sapatos para conhecer inúmeros locais. Fomos ver a Tulipán (flor de aço inox polido que abre e fecha — e que à noite fica ainda mais linda, iluminada), Visitamos a Plaza de Mayo, a Casa Rosada e o famoso Caminito —onde vimos um clone perfeito do Maradona, que obviamente cobra para tirar fotos com os turistas.

Passeamos por La Bombonera — estádio do Boca Juniors (único lugar em que vi o logo da Coca-Cola em azul), por Palermo, Recoleta, Retiro, pelo Centro Histórico, Monumento da Evita, Caje e Florida. Na Av. Santa Fé, você pode andar o dia inteirinho e mesmo assim não vai acabar de ver tudo.  Visitamos Rosedal, onde o perfume das rosas é impressionante, e o Jardim Japonês.

Conhecemos ainda a Catedral de San Martín e seus mosaicos bizantinos, o Obelisco, o Teatro Colón, e até o cemitério onde está enterrada a Evita.

Fizemos também o passeio no Rio Tigre, que valeu muito a pena, e finalizamos nosso passeio turístico em Puerto Madero, num maravilhoso restaurante.  Aliás, a gastronomia local não deixa absolutamente nada a desejar, até mesmo para mim, que sou um pouco “fresca”  com carnes.  Posso afirmar que várias carnes, que nunca comi no Brasil, experimentei na Argentina, e me lambuzei… Além da qualidade, o corte é diferente.  Adoro também pimentões, e, assim, me acabei de tanto comer “pimientos morrones” (oh, saudade!), além dos palmitos com salsa Golf, sanduíche de miga, matambre etc.

Nosso tempo já estava quase acabando quando, finalmente, pude provar uma das bebidas tradicionais daquele país: Gancia.

Andamos em todos os meios de transporte possíveis, pegamos até trem para visitar um primo de minha amiga, e também o metrô antigo, muito interessante, todo em madeira com uma iluminação que lembra os lustres de sala de estar. 

Como não podia deixar de ser, queríamos ir a um show de tango, mas num bem tradicional — atualmente não é incomum encontrar shows tão voltados aos turistas que mais parecem um espetáculo de circo. Para isso, pedimos uma sugestão ao pai da minha amiga, e lá fomos nós, bonitonas e bem arrumadas.  Noite completa – o ingresso incluía um jantar simplesmente maravilhoso, com entrada, prato principal, sobremesa e direito a vinho ou cerveja à vontade, para depois seguirmos para a casa de show (logo em frente).  Os bailarinos eram fantásticos, a música ao vivo excelente, e tudo isso regado a champanhe… sem comentários, né?  Valeu cada centavo!

Enfim, acho que todos deveriam estudar alguma língua, porque, muito mais do facilitar as viagens, rende muitas aventuras, e o melhor: excelentes amizades!