São Luís – Nova Orleans Brasileira

São Luís, capital do estado do Maranhão, está situada numa ilha, que leva o mesmo nome da cidade. Já chamada a Nova Orleans brasileira, faz jus ao epíteto, não somente em decorrência de sua origem francesa, mas, igualmente, pela multiplicidade cultural que a caracteriza. Fundada no início do século XVII pelos franceses, guarda as marcas dessa presença ainda hoje. Uma visita ao Palácio dos Leões comprova facilmente esse juízo. O edifício abrigou o governo local desde os tempos coloniais e apenas há alguns anos perdeu o status de sede do poder executivo estadual, sendo hoje reservado apenas para cerimônias oficiais e recepção de visitas ilustres. Seu mobiliário e decoração são riquíssimos, em geral compostos de peças vindas da França.

O litoral dispõe de praias muito belas, como a do Calhau, que detém a melhor infraestrutura e é bastante frequentada pelos turistas. Vale recordar que, das praias visitadas, Calhau, Olho d’Água e São Marcos, não encontramos sinais evidentes de poluição, mesmo estando situadas em ambiente urbano. Como em muitas praias do Nordeste, em São Luís venta muito, o que ajuda a suportar o forte calor.

A cidade possui um centro histórico repleto de opções, desde igrejas dos séculos XVIII e XIX, o Centro Cultural João do Vale — famoso compositor maranhense natual de Pedreiras, interior do estado — , o Teatro Artur Azevedo, construído no final do século XIX por dois irmãos portugueses, em homenagem a um dos maiores dramaturgos brasileiros do Brasil Império; o Projeto Reviver, no qual figura o mercado municipal e inúmeras lojas destinadas à divulgação e comercialização de produtos artesanais. Além das iguarias típicas, no “mercadão” é possível encontrar – e degustar – o guaraná Jesus, líquido de tonalidade rosa produzido a partir do extrato da semente do guaraná e, até onde se sabe, distribuído apenas no Maranhão. Ironicamente, ouvimos de moradores que o refrigerante foi concebido por um farmacêutico ateu.

Nos últimos tempos, São Luís tem recebido ainda mais visitantes em decorrência da intensa procura pelos Lençóis Maranhenses. Localizados a cerca de 250 km da capital, são formações arenosas de um tom alvíssimo, entremeadas por lagoas que se assemelham a verdadeiros oásis. Em que pese a região dos Lençóis esteja relativamente longe, São Luís se beneficia desse turismo pois os visitantes que chegam de avião desembarcam obrigatoriamente na cidade e, consequentemente, aproveitam para conhecer a capital, sem falar dos pacotes turísticos que, embora tenham como objeto principal o passeio aos Lençóis, invariavelmente reservam algum tempo para o turismo na capital.

Um passeio gratificante é a viagem até Alcântara. Localizada no continente, Alcântara foi fundada pelos portugueses, servindo de palco para as batalhas com os franceses que ocuparam a ilha de São Luís. A cidade conheceu seu auge no século XIX, com o plantio da cana-de-açúcar, e hoje é conheci-da por abrigar uma base aeroespacial para lança-mento de foguetes e satélites. O passeio até Alcântara demora cerca de 1h e 30 minutos e é realizado em embarcações que saem de um pequeno porto no centro de São Luís. Há um setor novo na cidade, pavimentado com asfalto e que se consolidou especialmente após a instalação dos corpos técnicos da aeronáutica, em fins da década de 1970. Entretanto, a parte histórica, tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (IPHAN), toda calçada em pedra, com seus casarões, é a mais instigante, pois conserva basicamente os padrões arquitetônicos da segunda metade do século XIX e das primeiras décadas do século XX. De volta à capital, nosso passeio termina à noitinha no bar D’Antigamente, no centro histórico, ao som de um bom jazz, mpb ou chorinho, rodeados pelas paredes em azulejo português, tão peculiares à cidade, haja vista que ela é, no território brasileiro, a mais rica neste artefato.