Pandemia: como continuar vendendo para quem mudou a rotina de vida

Para vender na pandemia é preciso saber quais foram as mudanças de comportamento das pessoas, que agora estão em casa o tempo todo, depois planejar ações para acompanhar toda essa transformação.

O coronavírus subitamente impôs novos comportamentos ao mercado. Nas empresas muitos funcionários estão trabalhando no sistema home office, isto é, em casa, as vendas são feitas por Whatsapp, Facebook, Instagram, os hábitos de higiene dos funcionários e dos estabelecimentos ficaram mais rígidos, e principalmente os consumidores também estão mudando.

Novos hábitos do quarentenados

Nessa nova ordem, alguns dados vindos do consumidor começam a aparecer. Atualizar a operação e as estratégias de marketing digital nas redes sociais é essencial para vender na pandemia. O Twitter e a Persky pesquisaram e disponibilizaram esse conhecimento. Agora os empreendedores poderão planejar e testar novas maneiras de conquistar mais clientes e manter os atuais.

Pesquisas

O Twitter sondou seus usuários norte-americanos e descobriu algumas novidades que podem melhorar a sintonia dos empreendedores, produtos ou serviços, com seu consumidor.  Mostrar ao cliente o que ele espera ver hoje, nos conteúdos das redes sociais, é uma inteligente estratégia de marketing digital é vender na pandemia.(Clique aqui e veja a pesquisa do Twitter)

O coronavírus fez com que o meio digital aumentasse de importância para o comércio, que precisa urgentemente maximizar resultados. O empreendedor já entendeu que a saída óbvia para atravessar essa tempestade é aprofundar os conhecimentos nas redes sociais e nas pesquisas para apoiar suas decisões.

Twitter

Solidariedade

Uma constatação importante da pesquisa do Twitter foi que os usuários gostariam de ver atos de assistência à comunidade nos conteúdos divulgados pelas empresas, seja ajuda direta ou o reconhecimento de atitudes positivas feitas por terceiros.

Os entrevistados disseram que queriam ver especificamente como as empresas e suas marcas estão apoiando os indivíduos vulneráveis (86%), funcionários da linha de frente (82%), funcionários próprios (80%), comunidades locais (77%) ou turbinando positividade e histórias positivas (70%).

Formato e categorias

Outra tendência é a utilização de vídeos, formato que continua crescendo para estratégias de marketing digital nas redes sociais e ratifica a conclusão de pesquisas anteriores. No Twitter, ano a ano, o tempo de exibição aumenta em categorias-chave como entretenimento (85%), notícias (73%), conteúdo do criador (34%) e esportes (31%). Aproveite e comece a fazer vídeos, aprenda a adaptar seu produto aos estilos das categorias citadas para vender na pandemia.

Conteúdo

Quando a mensagem é postada, é a marca falando cara a cara com o cliente ou potencial consumidor, e nas redes sociais há mais interesse nos conteúdos das marcas que adotam tons de apoio (45%), informativo (44%) e positivo (35%). O post deve ter valor para o consumidor.

Então, quando se trata de produzir conteúdo para esses tempos de crise, não fique longe, não pare de se relacionar nas plataformas sociais. Use os sites dos jornais locais que mostram o comércio que fica nas redondezas. As pessoas querem sentir uma sensação de normalidade nesses tempos difíceis, e as marcas, produtos, serviços, instituições, causas que descobrirem essa direção ganharão mais espaço no mercado.

Gerações escolhem novas atividades em casa

Agora, que muita gente está em casa, trabalhando ou em quarentena, a mudança de hábitos é evidente. A Perksy, plataforma de percepção do consumidor, em seu levantamento e concluiu que muitos dos chamados millennials, pessoas que hoje tem por volta de 35 anos e os da geração Z, com 25 anos, que estão isolados em casa, começaram novas atividades como exercícios físicos, jogos de vídeo, no entanto os millennials preferem conversar com amigos (49%) e os Zs se dedicam a aprender pelo ensino a distância (56%). Novos hábitos que podem permanecer depois da pandemia, com certeza se configuram como novas oportunidades de mercado. (Clique aqui e veja artigo sobre Home Office)

Tendência à troca de marcas faz vender na pandemia

Aproximadamente dois terços de ambas gerações estão comprando marcas diferentes das que costumavam usar, 80% tem trocado pelo simples fato do produto estar disponível e 37% pelo preço mais baixo, mas dizem que comprar on line tem estimulado a procurar de novas marcas. O melhor é que 42% disseram que permaneceriam pós coronavírus com as marcas novas.

As pesquisas foram feitas com consumidores norte-americanos, mas devem ser levadas em conta no Brasil que tem comportamento semelhante no consumo.

Então dá para perceber que há oportunidades de mercado para serem desenvolvidas, acerte sua estratégia de marketing digital nas redes sociais e comece a explorar nos caminhos para sua marca aproveitando essas pesquisas que foram disponibilizadas.

Gostou das dicas? Se tiver alguma nova ideia, dúvida ou informação, coloque nos comentários abaixo ou mande para o e-mail: [email protected]

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.