MEMÓRIAS DA VILA
07/01/2020 - Edição 200 - /
Cacá Bloise

1ª SÃO SILVESTRE DE CUECAS DA VILA MARIANA

Parece brincadeira, né? Na verdade, começou com uma brincadeira e tivemos três edições da SÃO SILVESTRE DE CUECAS NA VILA MARIANA.

Eu e o Levy adorávamos uma zueira. Um dia fizemos um passeio noturno de cueca por quatro ruas do bairro numa aposta com amigos, passando pela rua onde moravam várias meninas. Um risco absurdo para uma época em que os pais das meninas não eram, digamos “muito nossos amigos”.
O desafio foi perfeito e foi um sucesso. Foi assunto nas rodas da galera da Vila Mariana por meses a fio. Diziam: “O CACÁ E O LEVY DESAFIARAM O ‘STABLISHMENT’ E ANDARAM DE CUECAS NO BAIRRO”. A notícia correu solta.
Isso nos deu a ideia de criar e realizar uma SÃO SILVESTRE DE CUECAS. Uma Corrida Oficial do Bairro da Vila Mariana, no dia 31 à meia noite, na hora da passagem do ano.
Colocamos o plano em prática convocando vizinhos, amigos, professores, padres das igrejas,  parentes e todos possíveis investidores, para um, diríamos ‘PATROCÍNIO’, para poder realizar o evento.
Queríamos pouca coisa: imaginamos umas cuecas transadas com marcas (logotipos) do Armazém do Seu Acácio Tanabe da Rua Áurea, do Dr. Amaral dentista, da mecânica do Rafael na Rio Grande, do Dr. Amorim médico, da padaria Macau, do Clube Ipê, da lojinha do Seu Mário na Morgado ao lado da padaria, da padaria Fidalga e da farmácia do Saturno na Tangará, da Venda do Nicola na Rodrigues Alves, do açougue do André na Rio Grande, entre outros.
Patrocínio já era difícil naquela época e conseguimos uns míseros trocados para comprar 26 cuecas para distribuir aos 26 participantes da corrida monumental. Estavam, entre outros: Zitão, Vasquinho, Lineu, Paulinho Ogro, Paulinho Tanabe, Waltinho Delanina, Zé Marcos, Cacá, Levy, Julinho, Marcão, Magno, Bidu e todos os outros devidamente paramentados com cuecas ZORBA, numeradas e com logos dos que deram uma grana pro evento.
O Sr. Walter Delanina, vizinho da Rua Joaquim Távora, um grande incentivador da corrida conseguiu os cavaletes, as cordas, uma faixa com o título da corrida, que atravessava a rua de lado a lado, e o principal: UM REVÓLVER COM BALA DE FESTIM PARA DAR O TIRO DE PARTIDA.
A corrida tinha o trajeto saindo da Joaquim Távora, na esquina da Rua Áurea, descendo a Rua Áurea, dobrando na Morgado de Mateus, subindo a terrível Rua Nakaia e voltando para o final na esquina da Joaquim Távora.
Foi um show! Toda a vizinhança estava presente. Mães, pais, professores, padre, amigos, patrocinadores, gente de outros bairros para ver os RAPAZES DA SÃO SILVESTRE DE CUECAS.
Rua cheia, muita festa, gritaria, confusão... todos a postos na faixa de largada e pronto. O Sr. Walter Delanina deu o tiro de largada (que assustou todo mundo kkkkkkk) e PARTIUUUUU SÃO SILVESTRE DE CUECAS.
Uma correria desenfreada, sob aplausos de vizinhos nas portas das casas e todos nós de cuecas (patrocinadas e numeradas) corremos a famigerada 1ª SÃO SILVESTRE DE CUECAS DA VILA MARIANA. 
O Levy foi o campeão e eu fiquei em segundo lugar, o que se inverteria na 2ª edição, no mesmo local, no ano seguinte.
As memórias são absolutamente maravilhosas. Lembrar da felicidade das pessoas com o evento, a alegria que conseguimos passar para o povo da Vila Mariana, o atrevimento de realizar uma corrida de cuecas nos anos 60 foi o máximo.
Fotos eram raras na época. Sobrou pouca coisa para mostrar, mas os diplomas, meu e do Levy, nós guardamos e estão aqui nas fotos da matéria. 
Viva a 1ª SÃO SILVESTRE DE CUECAS DA VILA MARIANA!

Comentários
Inclua um comentário











 
Todos os direitos reservados - Pedaço da Vila - 2020