ATITUDE
06/11/2019 - Edição 198 - /
Jean Massumi

Descobrindo a vida... na morte
Vocês já fizeram essa reflexão: c Por mais tenebrosa que pareça essa pergunta, para muita gente traz. 
A grande maioria das pessoas conhece alguém que quase teve um piripaque, vislumbrou a possibilidade de embarque, comprou o bilhete, e, na hora ‘H’, não embarcou (para o lado de lá).
O que geralmente acontece depois? Quase todos repensam uma série de comportamentos e decidem mudar. Valorizar coisas que antes não eram valorizadas e, quase na totalidade, buscam e encontram prazeres nas coisas mais simples.
Conheço várias pessoas assim. O bancário que trabalhava 15 horas por dia e teve um infarto aos 34 anos; o professor que teve câncer aos 40. O pintor de paredes que caiu do andaime e ficou semanas em coma... e muitos outros. O que eles têm em comum? SOBREVIVERAM! E testemunharam a fugacidade da vida.
O interessante é que os pequenos prazeres, a família e as experiências, sempre estiveram disponíveis. No entanto, passavam desapercebidas, engolidas por outras prioridades. 
E, só quando essas pessoas viram o fim de perto, resolveram recomeçar. Um detalhe importante: dessas que eu conheço, NENHUMA se arrependeu de ter mudado de vida — mesmo que isso implique em diminuição do padrão social.
Oras, o que está acontecendo então? Será que como Sísifo (o mortal considerado o mais astuto na mitologia grega, que mencionei em outra coluna) estamos empurrando uma pedra morro acima com tanta força que não percebemos o que se passa à nossa volta? Será que o dia é muito curto? Ou será que não refletimos sobre nossas necessidades existenciais?
Quem me dera ter uma resposta universal. Pelo contrário, tenho, sim, muitas perguntas... 
E já que essa coluna foi recheada delas, deixo mais uma pergunta para você, querido leitor do Pedaço da Vila: O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO COM A SUA VIDA?
Abração gente. E até a próxima

Comentários
Inclua um comentário











 
Todos os direitos reservados - Pedaço da Vila - 2019