MEMÓRIAS DA VILA
16/03/2018 - Edição 180 - Mar/2018
Cacá Bloise

Aventuras no rio Boa Vista

“A Gente tinha um capinho de futebol na Vila Mariana onde passa um rio”

Essa frase é do Levy lembrando da época em que na Rua Bagé — no fim da Rua Beiruth — nós fizemos um pequeno campo de futebol ao lado do Córrego Boa Vista. Verdade! 

Bem ali, descendo ao lado Travessa Humberto I, atravessando a fábrica da Cera Record e entrando por onde é hoje a Rua Maestro Calia e desaguando no Ibirapuera, navegava “MAJESTOSO” — coisa de criança — o Córrego Boa Vista.Vocês não têm ideia o que é para uma criança ter um rio para chamar de “seu”.
 
A gente vivia nesse córrego dia e noite. Nossos pais odiavam e a gente adorava. Jogávamos bola, acampávamos, fazíamos expedições como “Bandeirantes” para achar tesouros escondidos entre a Rua Humberto I e o Ibirapuera.
 
Isso porque o Córrego Boa Vista vinha lá de cima, da Domingos de Morais, e descia até o Rio Pinheiros, atravessando por baixo de onde hoje está o Hospital Dante Pazzanezze e invadindo a várzea do Ibirapuera.
 
Alí, na altura do cruzamento da Maestro Calia com a Travessa Humberto I, existia uma fábrica de garrafas térmicas, que eu não lembro mais o nome, que deixava a gente brincar com os restos das garrafas que se tornavam tesouros nas nossas mãos (já naquela época existia crime ambiental porque o dono da fábrica jogava aquela parte espelhada de dentro da garrafa térmica no córrego, poluindo tudo). 
 
Pena que a gente era criança. Todos os vizinhos tinham filhos e éramos mais de 25. Uma tropa pronta para enfrentar os desafios do rio. Quando chovia — e chovia muito em  São Paulo — o nosso córrego Boa Vista se tornava um verdadeiro “Rio Amazonas” a ser desbravado. 
 
A esquina da Rua Dr. Amâncio de Carvalho se enchia de água. Perto do Detran antigo era um verdadeiro “mar” — aliás, até hoje quando chove. E lá íamos nós criando histórias, fazendo excursões e vivendo à margem do nosso rio com nossas espingardas de brinquedo, nossos chapéus de caçadores, nossos tênis todos alagados...e nossos sonhos.
 
Hoje o Córrego Boa Vista está todo canalizado por baixo das ruas da nossa Vila Mariana, mas continua lá... vivo! Vivo, claro.  Todo mundo diz que rio não morre. 
 
Eu e o Levy sabemos que o nosso rio não morre, porque toda vez que a gente passa ali pela Rua Dr. Amâncio de Carvalho — entre as ruas Maestro Calia e a Rua Astolfo Araujo — a gente para e escuta o som das suas águas correndo. Nós  sabemos que ele está ali embaixo — vivo —, exatamente como nós dois hoje. Bom dia, Levy. Mais um dia nas nossas vidas.
 
Valeu, parceiro.

Comentários
Inclua um comentário
Fernando
Excelente seu comentário,lendo revivi parte da minha infância,não exatamente onde você descreveu,mas bem próximo dali pois morava na rua do Tanque,hoje Estado de Israel,valeu...abraços.











 
Todos os direitos reservados - Pedaço da Vila - 2018