ATITUDE
28/11/2017 - Edição 177 - Nov/2017
Jean Massumi

Cara ou coroa tem o mesmo valor
Olá amigos do Pedaço. Graças a um projeto acadêmico que venho desenvolvendo, passei a observar os inúmeros ambientes escolares da nossa região. Num primeiro momento, um simples olhar em torno do fluxo estudantil. O ir e vir de dezenas de alunos, o trânsito quase sempre caótico nos horários de entrada e saída, os uniformes, a apresentação estética das fachadas, enfim, a vida que flui nos arredores de escolas, públicas e privadas.
 
Temos uma predominância de ofertas daquilo que chamamos (até hoje não entendo direito o porquê): escolas particulares, aqui na vizinhança. E duas grandes escolas estaduais de ensino fundamental. Confesso que meu raio de ação não ultrapassou a área de 1km2, mas foi mais que suficiente para o trabalho proposto. Dessa simples observação, percebi comportamentos bem interessantes e uma grande diferença entre os universos particulares e públicos.
 
Gente, sabe o que mais me chamou a atenção nesses dias de estudo? (lembrando que são percepções da área externa, não vou relatar métodos de ensino). A diferença de autonomia entre alunos da rede pública em comparação com a mesma faixa etária da rede privada. Sei que a palavra “autonomia” tem vários aspectos, mas qualquer um de nós pode observar o seguinte fato: nenhuma criança chega desacompanhada nas escolas particulares. Pais, avós, babás, motoristas ou peruas escolares se desdobram nessa função. Ao passo que nas escolas públicas, vemos crianças pequenas descendo de ônibus ou metrô e andando sozinhas (às vezes formam grupos com outras crianças) até os locais de estudo.
 
As reflexões nasceram quase que instantaneamente: será que a palavra EDUCAÇÃO envolve apenas o ambiente escolar, a grade curricular, o desempenho nos exames? Nisso, o aluno da rede privada tem grande vantagem. Ou será que essa autonomia precoce, por necessidade, dos alunos da rede pública, incrementa aspectos de socialização, resiliência e perseverança e também forjam a formação educacional? A polarização social aqui começa no ensino fundamental: de um lado mini-Einsteins frágeis, e das outras fortalezas subaproveitadas, sendo que o tão querido e ideal “caminho do meio” tem a mesma estrada... Aqui do alto da minha covardia de pai de um aluno da rede privada, fiquei incomodado com a constatação, e prometo mudanças. Afinal, para viver nessas bandas, carecemos de um pouco de tutano...
 
Grande abraço e muito obrigado pelos e-mails do mês passado. Acho que consegui responder a todos
 
Jean Massumi é massoterapeuta
Rua Morgado de Mateus, 596.  Tel. 5908.0121    jmhara@uol.com.br

Comentários
Inclua um comentário











 
Todos os direitos reservados - Pedaço da Vila - 2019