ATITUDE
19/11/2014 - Edição 144 - Nov/2014
Autor 100012

Cartilha
Por Jorge Tarquini
 
- O governo eleito, mesmo que por um voto de diferença, é a representação da vontade da maioria que se importou em ir até uma urna e votar (seja num candidato, seja em branco, seja nulo). Portanto, amigo, é do jogo. Assim sendo, se quiser pegar no pé de alguém, reclame com quem foi pra praia (o que, aliás, é uma bobagem, pois a pessoa tem todo o direito de fazê-lo — permitam-me aqui uma opinião: sou contra a obrigatoriedade do voto);
- governa-se para todos, não apenas para quem o elege;
- você se sente no direito democrático de defender seu ponto de vista? Pois é: quem discorda de você também: isso é democracia e liberdade de expressão;
- fazer oposição não é golpe (golpe é dizer que quem faz oposição é golpista ou vice-versa)
- Imprensa é oposição. O resto é armazém de secos e molhados... (Millôr Fernandes);
- Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade. (George Orwell);
- se a imprensa mente, que responda nos termos da lei. Assim como você, ela pode mentir. Assim como você, deve arcar com as responsabilidades. Queimar livros saiu de moda em agosto de 1945...;
- crime é crime: não dá para relativizar. Roubo de R$ 0,01 ou de R$ 1 bilhão, da situação ou da oposição, são exatamente a mesma coisa (e não uma questão de estar ou não no “contexto”);
- alguém ter nascido ou mudado para um lugar não o torna automaticamente nem ignorante, nem reaça, nem elite: generalização é a forma mais fácil de mostrar como você é um idiota
(ops, generalizei. Ah, mas quem faz isso merece);
- ninguém tem o direito de apontar o dedo e dizer “vagabundo” para quem precisa de assis-tência e nem apontar o dedo e dizer “bandido” para quem trabalha e tem uma vida melhor;
- Se você acha que mérito é quando você consegue algo e “sorte” ou “benesse” é quando o outro o faz, você merece o título de idiota
- Se seu vocabulário se resume a meia dúzia de adjetivos, que usa nos momentos de debater ideias (coxinha, ignorante, reaça, elite branca, nordestino burro, burguês, nazista, fascista, terrorista – e por aí vai), uma surpresa: a língua portuguesa também tem substantivos! Em vez de sair colando rótulos (o que, cá entre nós, qualquer macaco bem treinado pode fazer), desenvolva ideias. Afinal, se chegou até aqui na leitura deste texto, provou que tem neurônios;
- ganhamos todos se voltarmos a rir de nós mesmos. É muito chato ter de colocar * # ironia,  ou * # brincadeira,  antes de cada frase que dissermos...;
- se você acha que apenas as pessoas que estão ao seu lado são boas e puras, e que as do outro lado são todas demônios do mal, mude-se para o Facebook: funde uma comunidade do pensa-mento único e seja feliz nesse regime totalitário. Eu vou continuar na vida de verdade com quem já descobriu que só nos contos da carochinha vilão só faz maldades e mocinhos soltam pum perfumado;
Vamos pensar nisso (você não é obrigado a concordar comigo, ok?).

Comentários
Inclua um comentário











 
Todos os direitos reservados - Pedaço da Vila - 2019