ATITUDE
17/04/2014 - Edição 137 - Abr/2014
Jean Massumi

Sobre a Moral

Tenho mencionado algumas vezes aqui, na coluna, a palavra MORAL, e sempre recebo e-mails contendo opiniões ou dúvidas a respeito do uso que faço da palavra.

A colocação mais frequente que me dirigem é, na verdade, uma confusão sobre o conteúdo religioso embutido nela, algo como se o termo ‘moral’ tivesse um vínculo indissolúvel com normas teológicas.
 
Bem, não sou catedrático da língua portuguesa, e devo cometer meus erros por aqui, mas gramaticalmente o uso que faço é mais como substantivo feminino, e o contexto geralmente é filosófico. Moral = Tratado sobre o bem e o mal.
 
Duas leitoras do Pedaço mencionaram uma entrevista que dei ao site UOL, em que, lá pelas tantas, falei que tanto o BBB quanto outros programas de TV ditos apelativos são na verdade reflexos da dificuldade social de equalizar progresso moral e progresso tecnológico. Tivemos uma explosão de conquistas em setores científicos, mas o mesmo não aconteceu no setor humanitário. Esse progresso moral nada mais é que o quociente  entre bem ou mal que podemos verificar genericamente e que a mídia nos traz o tempo todo. Nossas queridas leitoras perguntaram se BEM e MAL não são conceitos subjetivos e se existiria alguma forma de uniformizar esse tipo de conduta. Olha, uniformizar não sei dizer, mas a subjetividade vai só até a página dois. Deixo uma pergunta para reflexão: Existe ‘BEM’ real feito apenas em benefício próprio? E o norteamento da consciência que diz (a todos) para não fazer ao outro aquilo que não quero para mim, deve ser ignorado?
 
Para finalizar, gostaria de responder às várias perguntas dos leitores sobre minha religião: Tento ser cristão. Mas minhas imperfeições são tão grandes que me dá um pouco de vergonha de assumir. Grande abraço, meus amigos...
 
Jean Massumi é massoterapeuta
Rua Morgado de Mateus, 596.  Tel. 5908.0121    jmhara@uol.com.br

Comentários
Inclua um comentário











 
Todos os direitos reservados - Pedaço da Vila - 2019