ATITUDE
- Edição 130 - Ago/2013
Jean Massumi

... E ter menos pena
Esta coluna é a continuação da que fizemos no mês passado, "Rir mais de nós mesmos”. E  é uma constatação de consultório de massoterapeuta. Aos meus amigos psicólogos,  desculpem-me se invado um tema tão complexo. Acreditem: são apenas constatações despretensiosas.
 
A frase que mais tenho ouvido nas últimas semanas é: "não está fácil para ninguém”. Concordo que em vários setores nossa qualidade de vida cai vertiginosamente a todo momento. Mas por que será que muita gente acha que está em situação pior que o resto da humanidade? E outra pergunta: por que algumas pessoas insistem em PERMANECER nessa situação?
 
Novamente, a bendita mente humana e seus complexos mecanismos de aprendizagem... Desde pequenos começamos a entender que, quando temos dor, nossas mamães vêm correndo nos atender. E, quando não temos dor, podemos fingir que temos. Desculpem a maneira simplória de abordar a questão, mas interiorizamos /sedimentamos esse ciclo vicioso no decorrer dos anos. Mudam   as situações e alguns personagens, mas  o protagonista/vítima permanece o mesmo. O duro é que às vezes nos especializamos tanto no fingimento que passamos a acreditar nele, inclusive apresentando os sintomas.
 
Muitos que vivenciam essa questão reclamam bastante desse tipo de comportamento, pois existe sempre uma aura de pessimismo e baixo astral envolvendo o ambiente. No fundo, não consigo deixar de me sensibilizar com a situação, já que a maioria das “vítimas” busca suprir suas carências afetivas com a atenção do outro.
 
Algoz ou vítima? Amigo do peito ou amigo da onça? Coração de pedra ou manteiga derretida? Quem somos nós nas nossas relações? Reflitamos...

Comentários
Inclua um comentário











 
Todos os direitos reservados - Pedaço da Vila - 2019