UMAS E OUTRAS
- Edição 109 - Set/2011
Denise Delfim

Sonho de Papel

A artista Carlos Eduardo MacQuillin, que mora na rua França Pinto, é formado em engenharia, mas descobriu sua verdadeira vocação depois de um curso de origami.  "Eu nem entendia muito bem do que se tratava", confessa.

Quillin identificou em sua primeira aula aquilo que denomina como "lenda pessoal". "Desde criança sempre gostei de recortar e colar. Era eu quem fazia os cartazes nos trabalhos em grupo, na época do ginásio".

A lógica do engenheiro encontrou a arte na técnica: "O que me chamou a atenção no origami foi a pura geometria — do papel quadrado você faz o que quiser!".  E daí começou a criar: montar quadros, fazer cartões de Natal, e não parou mais.

Ainda como engenheiro, construiu uma pousada em Arraial D’Ajuda (BA) — onde escolheu viver por 15 anos. "Decidi fazer os quadros dos quartos da pousada em Origami." Assim, o artista foi descoberto por Sergio Valenzuela, professor de artes plásticas da Faculdade de Belas Artes do Chile. "Ele era dono do melhor e mais lindo bar/disco da cidade, onde promovia exposições de um artista por mês. Quando viu a minha pousada, insistiu que eu fizesse uma mostra. E foi um sucesso!", recorda.

Em 1996, um amigo montou um café na Espanha e convidou MacQuillin para fazer uma exposição: "Fui para Madrid, ainda achando que minhas criações eram apenas um hobby". Entre 2000 e 20003 morou em Barcelona e foi  deixando a engenharia, voltando-se cada vez mais às exposições de origami. "Quando retornei a São Paulo, em 2007, vesti a camisa de artista e abri um showroom em Embu das Artes."

Há quatro anos, escolheu a casa em que seus avós moraram para viver e criar. "Quando eles faleceram, minha mãe mudou-se para cá e eu montei meu ateliê." É no local que ele produz sua arte inusitada, comercializada aos finais de semana no Embu das Artes.

O artista ensina que emprega três técnicas para a realização de suas obras: o origami, mais conhecido e tradicional — que é a dobradura em papel —, o kirigami, que tem efeitos em 3D — algo mais arquitetural, possível de ser encontrado naqueles cartões com figuras que se projetam —, e o quilling, rolinhos de papel para criar formas geométricas.

O tempo e o preço de cada trabalho variam conforme o tamanho da encomenda. As maiores demoram cerca de uma semana e meia para serem concluídas. "Já os trabalhos menores podem ser feitos em um dia." Os preços variam de R$ 70 a três mil.

MacQuillin tem o propósito de partilhar seu conhecimento e às vezes oferece cursos específicos. "De forma intensiva, com duração de 4 horas. Em apenas um dia." Atualmente não há cursos abertos, pois o artista se divide em produzir seus trabalhos durante a semana e, aos sábados e domingos, ir ao showrroom para comercializar as obras.

Conheça mais sobre o artista acessando: Macquillin.embu.feira.art.br ou telefone para 2594-2437 e 8437-2437.

........................ Giselle Olmedo


Comentários
Inclua um comentário











 
Todos os direitos reservados - Pedaço da Vila - 2018