ENTREVISTA
- Edição 89 - Nov/2009
Denise Delfim

VICENTE MICELI

Seu avô, Francisco Rio Micelli, fundou o primeiro jornal da Vila Mariana, em 1937, com a proposta de torná-lo o orgão constitucionalista da região. Em 1947, reeditou-o para conscientizar o "povo da Villa Marianna" sobre a importância da democracia e de uma sociedade organizada. O pai, o jornalista Eber Penha Micelli, trabalhou como secretário e redator na segunda edição do jornal e, na década de 90, ao se aposentar, decidiu reeditá-lo. A seguir, o psicanalista conta a história de uma família apaixonada pela Vila Mariana que muito contribuiu para nossa cultura, política e qualidade de vida. 

Pedaço da Vila: Seu avô criou o 1º jornal da Vila Mariana?

Vicente Miceli: Meu avô Francisco Rio Micelli foi mais um destes imigrantes italianos que vieram para o Brasil. Ele nasceu em 1900, durante a viagem de navio, direto para a Vila Mariana. Veio acompanhado de meus bisavós e seis irmãos do meu avô. Compraram uma chácara que ia da rua Oscar Porto até a rua Estela – onde hoje é o viaduto Cubatão. Chegaram ao Brasil com a intenção de fazer a "América". Meu avô cresceu na Vila Mariana e para ele a região era tudo. Trabalhou por muito tempo como corretor de imóveis e tinha como hobby fazer a árvore genealógica dos italianos que viviam por aqui.

Paralelamente ao seu trabalho, resolveu criar o primeiro jornal da Vila Mariana, em 1937. Meu avô era muito politizado e queria conscientizar a vizinhança sobre a importância do voto. Ele tinha 37 anos nesta época.

P.daVila: Qual era o conteúdo editorial do jornal?

V.M.: Na capa estampava-se o nome do jornal "O Villa Marianna" e seu slogan era: "Órgão Official do Directório do Partido Constitucionalista de Villa Marianna". Ele era quinzenal, distribuído gratuitamente, com tiragem de 10 mil exemplares - que para a época era imensa! – e com sede na rua Domingos de Moraes. A editoria abordava política, sociedade – com aniversários e nascimentos -, fazia homenagens... Tinha colunas fixas chamadas Jornada Democrática, Quinzena Política e até uma página dedicada às mulheres, a Página Feminina, onde falava de moda e culinária! Havia charges e até ensinava os leitores a aplicar seu dinheiro. Meu avô acreditava na democracia e na importância do voto. Seu jornal fazia diversas campanhas para encontrar um morador do bairro que quisesse se candidatar a vereador e mostrava a necessidade do "povo da Vila Mariana – como ele chamava o leitor do jornal – em ajudá-lo com recursos para sua campanha.

P.daVila: Seu pai já participava do jornal?

V.M.: Meu pai (Heber Penha Micelli) tinha 12 anos quando meu avô lançou o jornal. Ele ajudava um pouco, mas como era interno no Arquideocesano, não tinha muito tempo de sobra. Mais tarde, quando meu avô reeditou o jornal, isto no final da década de 40, meu pai tornou-se secretário de redação e repórter. Nessa segunda fase, o nome perdeu um "L", e passou a chamar "O Vila Marianna"; o slogan também mudou: "Feito pelo povo, para o povo de Vila Mariana". Além do viés político e da Página Feminina, o jornal ganhou mais páginas e colunas de Esportes, Cultura e de humor. Também tinha um espaço que convocava os moradores do bairro a instituir comissões para indicar os verdadeiros representantes da Vila Mariana para cargos públicos e também para fazer relatórios das necessidades da região para serem encaminhados aos órgãos competentes.

P.daVila: Por que ele resolveu retomar o jornal?

V.M.: Acho que começou pela própria circunstância da época, pela falta de estrutura da cidade que crescia rapidamente e não tinha um jornal que pudesse atender especificamente aos bairros. Uma das primeiras edições foi por volta de 1945. De 10 mil exemplares, chegou a ter 50 mil. Mas, como a grande imprensa ganhou espaço, dedicando mais espaço aos bairros, ele resolveu acabar com o jornal.

P.daVila: Mas seu pai tornou-se jornalista...

V.M.: Ele se apaixonou pela profissão, se formou na primeira turma da Cásper Líbero. Meu pai sempre foi muito articulado. Conhecia muitos políticos e tinha excelentes relações, iniciadas no colégio Arquideocesano e, depois, no Bandeirantes. Ele era muito amigo do Jânio Quadros, que morava no pedaço e foi seu chefe de gabinete quando prefeito de São Paulo. O Jânio foi padrinho de casamento dos meus pais. Ele foi candidato a vereador e deputado estadual três vezes - não ganhou nenhuma! - e assessor parlamentar da Federação do Comércio de São Paulo, desde a época do Dr. Brasílio Machado. Com certeza, foi o primeiro lobista do Brasil, servia a grandes empresas da época. Meu pai contava que, quando vendeu o terreno onde foi construída a fábrica das ceras Record (av. Cons. Rodrigues Alves) para a família Basille, o dinheiro que recebeu por ter intermediado a venda, deu para viver na Europa por alguns anos...

P.daVila: Quando seu pai resolveu reeditar a revista Cruzeiro?

V.M.: No começo da década de 80. Ele reencontrou um amigo de infância da Vila Mariana, Alexandre Von Baungarten, um jornalista que trabalhou muitos anos com Roberto Marinho. Como os dois eram muito bem relacionados – meu pai na política e Alexandre, nas forças armadas -, tiveram suporte para relançar a famosa revista O Cruzeiro, que foi dos Diários Associados, cujo proprietário era Assis Chateaubriand. No entan-to, era uma época em que os presidentes ainda eram generais e, por não agradar certas alas do governo e com o assassi-nato - até hoje não escla-recido do sócio e amigo - ele acabou com a revista.

P.daVila: E quando ele resolveu retomar o jornal?

V.M.: Meu pai já estava aposentando quando resolveu lançar a terceira edição do jornal, em meados dos anos 90, para não ficar parado completamente. Retornou como "O Vila Mariana", sem os dois "Ns", que deu a ele uma atividade mais leve, dentro de um assunto que era muito agradável e familiar, já que sempre morou no bairro. Meu pai percebeu na época que estava acontecendo o contrário do que ocorreu quando meu avô fechou seu jornal: São Paulo acabou ficando muito grande e os jornais começaram a atender uma necessidade comum, não individual, de cada bairro. O jornal acabou quando meu pai faleceu, em 11 de setembro de 2001.

P.daVila: Em sua opinião o que o jornal do seu avô e depois de seu pai tinha de melhor?

V.M.: Uma das coisas boas era o de atender os pedidos dos moradores do bairro, e fazer a ponte entre comunidade e o poder público.

P.daVila: Quais eram os pedidos?

V.M.: A maioria eram reclamações, seja por

barulho, buraco,coisas do dia a dia, e também alguns elogios, cartas de agradecimento. Achei engraçado que, em uma das edições dos anos 50, a manchete da capa era "Onde ficarão os ambulantes do Largo Ana Rosa?" - se pensarmos que até hoje o bairro sofre com o mesmo problema... Já nos jornais mais recentes, transpareciam o rápido crescimento do bairro e de seu comércio. E como os moradores ainda não estavam acostumados com os bares, escolas e universidades que começaram a se instalar pelo pedaço - e que trouxeram a um bairro tipicamente residencial vida noturna e movimento -, as pessoas mais antigas começaram a reclamar dos carros parados na frente das casas e do burburinho nas ruas até mais tarde.

P.daVila: O conteúdo do jornal era o mesmo?

V.M.: Eram assuntos culturais, históricos, algumas situações políticas, de administração pública do bairro e, como os jornais de meu avô, era sustentado por anúncios e classificados. Meu pai sempre mostrava alguma história do bairro, trazendo imagens passadas e presentes. Contava histórias e situações pitorescas do bairro da época, como a do bonde, onde o ponto final era na Vila no Largo do Matadouro - hoje a Cinemateca -, e defendia o tombamento do Instituto Biológico.

P.daVila: Você ainda mora na Vila Mariana?

V.M.: Sim, ainda moro.

P.daVila: Não pretende dar continuidade ao jornal de sua família?

V.M.: Para falar a verdade, não preciso! Acompanho o jornal Pedaço da Vila e percebo que a alma, a ideologia do meu avô estão vivas nele. Os jornais da minha família podem contribuir e muito com o Pedaço da Vila, através das memórias registradas em suas três edições. O acervo histórico do jornal é riquíssimo! A segunda edição de "O Vila Marianna", por exemplo, cobriu a inauguração do parque Ibirapuera e muitos outros eventos importantes aqui do bairro. É a oportunidade de outras pessoas conhecerem o trabalho do meu pai e do meu avô, que realmente amavam a Vila Mariana!


Comentários
Inclua um comentário











 
Todos os direitos reservados - Pedaço da Vila - 2019